Falecimento da Profª Isabel Margarida André (1956-2017)

É com grande pesar que as Direções do IGOT (Instituto de Geografia e Ordenamento do Território) e do CEG (Centro de Estudos Geográficos) informam que a Professora Isabel Margarida André, Professora Associada com Agregação, do IGOT e investigadora do CEG, faleceu ontem à noite (3 de abril).

Nesta hora de profunda consternação, prestamos homenagem a uma colega e amiga, evocando o seu contributo para a construção de uma sociedade e de uma geografia melhores, através da afirmação nacional e internacional da escola geográfica da Universidade de Lisboa e do carácter inovador dos temas da sua investigação, sobretudo nos domínios da Geografia Social e Cultural, Geografia Urbana, Geografia Política, Estudos de Género e Metodologias de Investigação.

A sua dissertação de doutoramento em Geografia Humana, pela Universidade de Lisboa (1994), intitulada “O falso neutro em Geografia Humana: género e relação patriarcal no emprego e no trabalho doméstico”, foi pioneira nos estudos de Geografia do Género, tendo aberto o caminho neste domínio de investigação em Portugal. Mais recentemente, oss seus projetos de investigação viraram-se para o papel da cultura e das artes como motores da inovação socio-territorial, da inclusão e do desenvolvimento urbano.

A Professora Isabel Margarida André trabalhou também como consultora de projetos de desenvolvimento urbano e regional e como avaliadora de políticas públicas e programas nesse mesmo domínio. Sempre preocupada com a qualidade de ensino e o sucesso dos estudantes, promoveu a ligação entre a investigação e a docência, tendo desenvolvido vários instrumentos metodológicos que visam estimular os processos de aprendizagem ativa, o pensamento crítico e as metodologias participativas.

Para além da docência, investigação e consultoria, Isabel André assumiu ainda importantes cargos de gestão no ex-departamento de Geografia da Faculdade de Letras e no IGOT, tendo tido, um papel muito ativo e valioso na reestruturação dos cursos de licenciatura e mestrado em Geografia e uma participação entusiasta e empenhada no processo que conduziu à criação do IGOT e à definição da estratégia para a consolidação e desenvolvimento do Instituto.

Criativa e empenhada, quer como docente quer como investigadora, deixa um legado de trabalho notável, tendo conseguido estimular o espírito crítico e a vontade de aprender geografia em algumas gerações de jovens e contribuído para a integração de muitos no sistema de investigação-ensino.

Nesta data e em nome de todos os professores, investigadores e funcionários do IGOT e do CEG, as respetivas direções apresentam à família enlutada e amigos as suas sinceras condolências.